Entenda o que é refogar.

Entenda o que é refogar. Refogar é um método úmido de cozimento que pode transformar o pedaços duros e grandes de carne em pratos macios e suculentos. Primeiro deve-se selar a carne (ou vegetais duros) em uma panela com gordura e depois cozinhá-la lentamente em uma assadeira com gordura, durante horas.

Essa é uma ótima opção se você quiser fazer um prato barato e saboroso que alimente uma família inteira. O processo é bastante fácil, mas pode levar muitas horas para a comida chegar à consistência certa, portanto não é algo para se fazer às pressas. No entanto, a comida precisa de quase nenhuma atenção durante o cozimento, você pode simplesmente deixá-la lá enquanto você faz suas tarefas diárias.

Para refogar, primeiro você deve selar a carne em gordura em uma panela quente; isso doura a parte de fora da carne, conferindo sabor e deixando-a apetitosa. Depois, a carne é colocada em uma assadeira pesada própria para ir ao forno ou caçarola. Você terá de desgrudar as raspas da carne do fundo da panela com vinho, caldo ou algum outro líquido para tirar os pedaços pequenos de carne e gordura que tenham ficado para trás. Adicione esse líquido à assadeira com o resto do líquido para cozimento (geralmente uma combinação de caldo, vinho ou suco de fruta), que deve chegar até a metade da carne. Cubra a assadeira e coloque-a no forno pré-aquecido e deixe para assar por até seis horas, dependendo do tipo de carne utilizada.

Essa técnica funciona melhor quando a carne é cozida continuamente a temperaturas relativamente baixas (em torno de 150 °C ) por períodos longos. Apesar de ser possível fazê-lo no fogão, fica melhor se feito no forno, onde o calor poderá envolver a assadeira por todos os lados, permitindo que o cozimento seja uniforme.

Refogar serve para amaciar a carne através de vários processos. Primeiro, o calor rompe os tecidos conectivos que mantêm a carne toda junta, transformando tudo em colágeno. Depois, com o calor, umidade e mais tempo, o colágeno se transforma em gelatina, que eventualmente dissolve e se funde com o líquido. Enquanto isso acontece, as fibras musculares da carne vão soltando mais umidade e sabor no líquido. Mas à medida em que o tempo passa, essas fibras relaxam e reabsorvem a umidade, deixando a carne macia e o molho saboroso.

Os melhores cortes de carne para fazer refogadas são paleta, lagarto, músculo, costelas, peito e pernil. Esses cortes são mais duros e gordurosos. Cortes de carne magros têm menos tecidos conectivos para dissolver, refogá-los é um pecado. Também é possível refogar coxas de frango e peixes grandes e firmes.

Quanto aos vegetais próprios para refogar, você deve escolher os mais rígidos e fibrosos também como alho-poró, cherovia, abóbora, aipo, cenoura, repolho e beterraba.
Comentários 0
recentes deste expert

A origem da coxinha

A coxinha é um salgadinho brasileiro, de origem paulista, também comum em Portugal, feito com massa de farinha de trigo e caldo de galinha, que envolve um recheio elaborado com carne temperada de frango, queijo, calabresa ou vários outros tipos de sabores Composição Feita com massa de batata, a coxinha é tradicionalmente recheada com carne de frango cozida e desfiada, podendo ter a opção de também ser recheada com requeijão cremoso, tal qual o catupiry, junto ao frango. Modelada em forma de gota, para lembrar a coxa de galinha, a coxinha é enfarinhada com farinha de rosca e frita em óleo quente História A coxinha, tal qual em sua forma atual, tem sua origem no século XIX, na região da Grande São Paulo, no estado de São Paulo. Segundo historiadores da alimentação, a coxinha foi desenvolvida durante a industrialização de São Paulo, para ser comercializada como um substituto mais barato e mais durável às tradicionais coxas de galinha que eram vendidas nas portas de fábricas De São Paulo, a receita rapidamente se espalhou pelo restante do estado e logo do Brasil, já sendo popular no Rio de Janeiro e no Paraná na década de 1950. Contos Dizem que os antigos reis consumiam apenas as coxas do frango e uma das cozinheiras teve a ideia de envolve-las com farinha antes de assa-las para que a delicia rendesse mais, uma vez que eram tempos de muita fartura, a ideia era saciar mais os reis!

Tanto faz o lado do papel alumínio usado?

Afinal: lado brilhoso ou lado fosco virado para dentro? O Kozinharvai te mostrar qual o lado correto do papel-alumínio para a finalidade que você quer! Papel-alumínio é um dos papéis que não podem faltar na cozinha: é ele que ajuda a embrulhar e conservar os alimentos. Além disso, o papel-alumínio é um grande aliado na hora de assar pratos, como a carne-assada, por exemplo, impedindo que ela resseque ao longo do cozimento e contribuindo para deixá-la ainda mais suculenta! Mas, afinal de contas, qual é o lado correto do papel-alumínio? O lado fosco ou brilhante? Se você já se indagou isso, o kozinhar vai te ajudar a acabar com essa dúvida: Se você tinha o costume de colocar o lado fosco em contato com a comida, saiba que esse é o lado errado! O certo é colocar o lado brilhante para dentro!

Cozinhar macarrão, precisa ou não de óleo?

Mas a gente ensina três truques para a massa não grudar durante o cozimento Afinal, precisa colocar óleo ou azeite na panela ao cozinhar o macarrão? Pergunte a qualquer italiano da gema e a resposta será um sonoro “não!”. Apesar de ser um hábito bastante comum no Brasil, adicionar uma colherinha de azeite ou de óleo na água não ajuda em nada — até atrapalha. “Colocá-lo na água é um erro porque cria uma película escorregadia sobre a massa, o que não é bom”, explicam duas verdadeiras especialistas italianas, as veteranas Margherita e Valeria Simili, que colocam a mão na massa desde a infância e já comandaram também uma famosa escola de culinária. O que acontece é que, na hora de escorrer o macarrão, o óleo adere na massa e a deixa escorregadia, o que dificulta a aderência do molho e certamente prejudica a degustação do prato. Se a ideia é não deixar o macarrão grudento, portanto, é melhor seguir as três dicas abaixo: 1. Use uma panela grande O macarrão expande durante o cozimento; se não houver espaço, ele vai se compactar num bloco. 2. Calcule a proporção correta O segundo passo para evitar o grude é colocar bastante água, para que a massa tenha espaço para cozinhar. A regra geral é 1 litro de água para 100 g de massa. 3. Misture a massa Uma mexidinha nos dois primeiros dois minutos de cozimento ajuda a separar a massa quando ela começa a ficar revestida de amido, que é grudento e facilita a aderência.


OK formulario enviado com sucesso!
OK receita favoritada!